domingo, 17 de novembro de 2013

O HOMEM QUE ODIAVA A MATEMÁTICA

   Hoje em dia, é muito fácil encontrar alguém que não gosta de matemática, mas esse homem de quem eu vou falar, na qual vamos chamar de Pedro, tinha um ódio terrível de matemática, que deixou de estudar para não ter contato nenhum com essa disciplina maravilhosa que é a matemática. Mas a matemática não deixava Pedro em paz, onde ele ia a matemática estava presente: no mercado; nas lojas de materiais de construção; no jogo de futebol; e, até mesmo no passeio com a família. Isso o deixava muito revoltado, pois a presença da matemática o incomodava muito.
   Certo dia Pedro teve uma notícia nada agradável, que sua empresa estava passando por dificuldades financeiras, então ele teria que ser dispensado. Bem, isso de fato aconteceu, e Pedro ficou desempregado. Como Pedro não quis estudar ele ocupava a  profissão de faxineiro.
   O tempo foi passando e como Pedro odiava a matemática, não administrou bem o seu dinheiro, então o dinheiro acabou e nada de aparecer outro emprego. Se Pedro tivesse estudado a vida ficaria mais fácil para ele, mas por causa da matemática, Pedro não deu continuidade aos estudos, pois detestava números. Todavia Pedro tinha uma família: uma mulher e um casal de filhos. Além disso tinha as contas que não paravam de chegar.
   Então pedro resolveu tomar uma atitude radical, entrou em uma casa lotérica, um lugar que para ele era muito ruim, pois trabalhava com números e números lembrava matemática, mas pedro deixou o orgulho de lado, escolheu alguns números e fez uma aposta.
   O que posso dizer é que depois que saiu o resultado, Pedro mudou a sua opinião sobre a matemática, pois acertou sozinho os números que jogou. Pedro ficou rico, e com um  detalhe, voltou a estudar.
    Pedro, hoje, não é mais faxineiro, mudou de profissão, Pedro é professor de matemática.

Um comentário:

  1. Nós podemos odiar a matemática, mas ele estará sempre ao nosso, para quando precisarmos de ajuda, ela nos servir.

    ResponderExcluir

Ressonância Harmônica.